sábado, 29 de setembro de 2012

NOVIDADES EDITORIAIS (13)


MURENA (6 / 7) - Em álbum duplo, pela Asa, finalmente a continuação em português da magnífica série "Murena". Neste tomo duplo, os episódios 6 (O Sangue das Feras) e 7 (Vida dos Fogos), com argumentos de Jean Dufaux e a admirável arte gráfica de Philippe Delaby.
O imperador Nero progride na sua prepotência cruel enquanto o seu ex-amigo Lucius Murena, sentido-se violentamente traído e ofendido, tudo vai fazer para um devido ajuste de contas.
"Murena" é uma das grandes e melhores séries que temos acompanhado nos últimos tempos. A não perder!

VAILLANT, INTEGRAL - 17 - Com edição Lombard, o 17.º tomo integral da equipa de Jean Graton versando a série "Michel Vaillant".
Neste tomo se incluiem as narrativas: "L'Affaire Bugatti", "Une Histoire de Fous", "Le Maître du Monde" e "La Piste de Jade".
Neste volume ainda, dossiês sobre a actualidade do desporto automobilístico dos anos 1980/1990.

L'AFFRONTEMENT  FINAL - É o sexto tomo, encerrando um ciclo, de "Dantès", série livremente inspirada no famoso romance "O Conde de Monte Cristo" de Alexandre Dumas. Agora, o argumento é de Pierre Boisserie e Philippe Guillaume, o grafismo é de Éric Juszezak e a edição é da Dargaud.
Com um traço realista e eficaz, o guião leva-nos para uma inquietante e actual saga político-financeira. Uma série que nos alerta que a democracia é frágil e nada pesa face às ambições de alguns...
Uma série que tem o nosso pleno aplauso e que esperamos ver editada em português...

OS PIRATAS DO DESERTO - Com edição Asa, "Os Piratas do Deserto", marca o positivo regresso de Santos Costa, adaptando uma obra de Emílio Salgari, autor que tanto aprecia.
Santos Costa tem vários álbuns publicados e também colaborou para a saudosa revista "Mundo de Aventuras", não só com base em textos de Salgari, como também aí publicou uma narrativa sobre a epopeia de Fernão de Magalhães.
Que a Asa continue, pois, a apoiar, publicando, os autores portugueses.

LA LUMIÈRE DU GUERRIER - Série no género "aventura-fantasia", com guião e traço de Mateo Guerrero, sob edição Lombard.
Trata-se da série "Turo", sendo "La Lumière du Guerrier" o terceiro tomo. No estilo, é uma série muito agradável, com um grafismo notoriamente influenciado pela linha mangá, ou seja, a BD japonesa.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

SÉRIE "RIBANHO" CHEGA AO FIM...

Tira 001 (07.02.2003)
A série "RIbanho", da autoria de Luca - leia-se, Luís Afonso (argumento) e Carlos Rico (desenho) - chega ao fim, passados quase dez anos após a publicação da primeira tira.
O "Diário do Alentejo" (semanário regional sediado em Beja) onde a série se estreou a 07.02.2003, passa por um período financeiramente conturbado, não lhe restando outra alternativa que não seja a de prescindir de todos os seus colaboradores de modo a que a própria sobrevivência do jornal não seja afectada. É mais um (triste) exemplo de como a crise está a afectar este país...
Na próxima sexta-feira será publicada a última tira da série. 
De forma a não deixar morrer por completo este projecto, os autores decidiram criar um blogue onde, para além da publicação de todas as tiras (por ordem cronológica), os leitores poderão aceder a muito material extra e inédito: esboços de textos e desenhos, uma galeria de personagens, muitas curiosidades relacionadas com a série e com os seus autores, entrevistas, etc. Podem continuar a seguir o RIbanho, a partir de agora, teclando: 
http://www.ribanho.blogspot.pt/

A última tira da série, a publicar na próxima sexta-feira (28.09.2012)


domingo, 23 de setembro de 2012

ENTREVISTAS (2) - JORDI PLANELLAS

DE ANDORRA COM BANDA DESENHADA: JORDI  PLANELLAS

Há um frequente olvido (será aberração?) de só se mencionar Espanha e Portugal quando se citam os países ibéricos "esquecendo-se" o Principado de Andorra, que também se situa para cá dos Pirinéus, que pertence à ONU, que participa e intervém nas Cimeiras Ibero-Americanas, que tem o euro como moeda e o catalão como idioma principal. E ainda: Andorra é o país economicamente mais estável da Península Ibérica e foi (e é) um bom "abrigo" para muitos portugueses que lá fazem pela vida!
Jordi Planellas
Na sua Banda Desenhada, um nome se destaca: Jordi Planellas. De seu nome completo Jordi Planellas Moral, nasceu a 19 de Julho de 1975. Cursou Arquitectura em Barcelona, na Universidade Politécnica da Catalunha. No seu país natal, já coordenou Salões-BD e recebeu vários prémios como ilustrador e como desenhista. 
Expôs e visitou pela primeira vez Portugal no Salão Internacional "Sobreda-BD / 2004", em Maio, como convidado especial. Estes seus trabalhos estiveram depois patentes nos salões desse mesmo ano, em Moura  (Novembro) e em Viseu (Dezembro).
Colaborou para a revista espanhola "Reverso", com a sua 9.ª Arte versando a ficção científica. 
Com argumentos de Benjamin Leduc, em 2008, as Éditions Claire de Lune, publicaram-lhe "Bimbos" e "Bienvenue aux J.O." 
  
E, em Setembro deste ano, editou-se pela 12 Bis, o primeiro tomo de "Zigeuner". 


  
Entretanto, Jordi Planellas, está a elaborar em BD, "A História de Andorra", sendo interessante observar que Jordi está tranquilo tanto na ficção científica como no humor ou no realismo dramático. 
Abordámo-lo para brevíssimas questões:

BDBD - Que fazes actualmente a nível de Banda Desenhada?
Jordi Planellas (JP) - Elaboro em BD a "História de Andorra" e depois vou começar com o segundo tomo de "Zigeuner".
BDBD - Há salões de BD em Andorra?
JP - Sim, o Massana Comic. Os interessados podem consultar o site (www.lamassanacomic.ad) onde se podem informar das exposições que se fizeram até 2008, estando mais páginas em construção.
BDBD - Para além de ti, há mais desenhistas andorranos?
JP - Há um, que é de origem argentina, mas que vive e trabalha em Andorra há oito anos: Martín Blanco (www.marthblanco.com). É mais pintor e ilustrador que desenhista, mas também já fez algumas coisas neste campo.
BDBD - Gostarias de voltar a Portugal... talvez para um outro Salão de BD ?
JP - Oh, sim, claro! Sem qualquer dúvida... 

Até breve, então!


Prancha de "Rodarian"

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

NOVIDADES EDITORIAIS (12)

KARMA SALSA / 1 - Dois argumentistas (Joël Callède e Philippe Charlot) e um desenhista (Frédéric Campoy), sob edição Dargaud, desafiam-nos com uma nova e curta série, plena de emoções e de amarguras: "Karma Salsa".
Após vinte anos de presídio, Ange, é devolvido à liberdade. Na prisão, iniciou-se na meditação e daí, tudo mudou para ele. Mas não mudaram todos os que o aguardam no exterior... Todos querem ajustar contas com ele, desde polícias corruptos a bandidos à solta. E Ange vai reaprender a lutar, mas apenas para salvar a sua filha. Foram sábias as palavras que escutou na cadeia:
- "Ange, na prisão, tu estás protegido... Não há passado, não há futuro. Mas uma vez lá fora, os teus demónios voltarão a perseguir-te e terás de enfrentá-los... olhando-os bem nos olhos!" .
Uma série que promete entusiasmar os leitores.


MARY SHELLEY - Com edição Lombard, é o segundo e último tomo da série "Shelley", com guião de David Vandermeulen e grafismo de Daniel Casanave.
Foi aos 19 anos que Mary escreveu o famoso romance "Frankenstein"...
Mas Mary vive já com o poeta dissoluto Percy Shelley. Fugidos da conservadora e hipócrita Inglaterra, é em Itália que vivem abrigados pelo amigo Lord George Byron e o companheiro deste, o médico e escritor John Polidori. Enfrentando os diversos desafios da vida, Mary acabará por ficar na solidão e nas saudades, pois Percy, Byron e Polidori vão deixando esta vida...


LA TOMBE DE LAZARE - O guionista Koldo Azpitarte Orroño e o desenhista Angel Unzueta, ambos do País Basco (Espanha), propõem-nos uma vigorosa série, "Reliques", sob edição Glénat.
Tudo gira à volta da recuperação de relíquias sagradas do cristianismo... começando esta epopeia pela confirmação e salvaguarda do túmulo do bíblico Lázaro, pressupostamente em Marselha, no sul de França. E, para além do mais, há ambições desmedidas, tanto económicas como da parte
de seitas cristãs fundamentalistas...
Série de leitura a não perder.


LES MAGICIENS - Com este título, trata-se do primeiro tomo da série "Black Stone", sob edição Glénat, com guião de Éric Corbeyran e grafismo de Éric Chabbert.
- "Da magia nasce a ambição e da ambição nascem as trevas..."
Num ambiente gótico e nimbado de mistério, esta nova série leva-nos aos sombrios meandros do espírito humano que são tanto de recear como os poderes ocultos da magia...
Uma intriga fantástica e apaixonante, servida pela bela arte gráfica de Chabbert.


LA VULNÉRABILITÉ - É o sétimo e último tomo da série "Sept Balles Pour Oxford", com edição Lombard, guião de Jorge Zentner (argentino) e Montecarlo (catalão) e grafismo do brasileiro Marcello Quintanilha.
Oxford McNamara é um detective velho, reformado à força pelas maleitas que o assolam... Mas é de ideias fixas e jamais abdica, quando há um caso a resolver. Em princípio, resta-lhe a sétima e última bala no carregador da sua arma. A quem vai ser destinada? Ou o final não será bem o que o leitor vinha imaginando?

terça-feira, 18 de setembro de 2012

NA PISTA DE EDOUARD AIDANS

Às vezes há enganos aparatosos... O espanhol Horacio Diez, a 18 de Setembro de 2009, noticiou no seu blogue "Comic, Historietas, Tebeos..." que o artista belga Edouard Aidans havia falecido no ano 2000!... Claro que choveram protestos pois em Setembro de 2012 Aidans ainda está vivo e de saúde!
Edouard Aidans
Edouard Aidans nasceu em Andenne (Bélgica) a 30 de Agosto de 1930. Aos 16 anos publicou-se pela primeira vez na revista "Spirou", para onde depois desenhou várias curtas na série "Belles Histoires de l'Oncle Paul". 
Depois, passou a colaborar para as revistas "Line" e "Tintin" e até, ocasionalmente, para a "Pilote" e "Achillle Talon Magazine". 
Por um tempo efémero, tentou prosseguir com a criação original de Hermann, Bernard Prince, donde só resultaram duas aventuras: "La Dynamitera" (Ed. Blanco) e "Le Poison Vert" (Ed. Lombard).
Pelo conjunto da obra foi homenageado e agraciado por Bruxelas em 2006. Mas, já em 2001, o Centre Belge de la Bande Dessinée havia editado, sob coordenação de Michel Vandenbergh, um pequeno álbum sobre a sua vida e obra, "Sur la Piste d'Edouard Aidans".
Chegou a usar os pseudónimos de "Jok" e "Hardan".
Avulsamente, criações suas foram entre nós publicadas nas revistas "Cavaleiro Andante", "Pisca-Pisca", "Mundo de Aventuras", "Tintin" e "Zorro".
Das suas séries mais notáveis, demarcam-se "Tounga", "Marc Franval", "As Panteras", "Tony Stark" e, com argumento de Jean Dufaux, "La Toile et la Dague".
A série "Tounga", pelas Éditions Joker, já conheceu a versão integral em seis tomos e com capas novas. 
Por sua vez, a famosa série "Marc Franval", coloca este herói (mais sua esposa Cathy e o filho Didi) em três episódios em cenários portugueses: duas curtas, uma em Angola e outra em Moçambique (que nesse tempo eram territórios portugueses) e "Destination Desertas", uma longa passada na região de Lisboa mas, sobretudo, no arquipélago da Madeira. 
Que pena não existir ainda o álbum em português! E se metêssemos uma "cunha" ao Dr. Alberto João?...
Prancha de "Destination Desertas"
Algumas vezes, Edouard Aidans também abordou a BD humorística. Porém, é um perito na linha clássica realista que, através da sua obra, ainda não erradicou os emotivos sonhos do nosso quotidiano.

sábado, 15 de setembro de 2012

HERÓIS INESQUECÍVEIS (4) - NATACHA



BELA, SEDUTORA E OUSADA! ELA É... NATACHA!

É muito raro, na Banda Desenhada, vermos o PNC (Pessoal Navegante de Cabine) ascender à heroicidade. O PNC engloba as A/B (Assistentes de Bordo) e os C/B (Comissários de Bordo). Nos anos 1954 a 1956, a revista francesa "Mireille" publicou "Liliane,Hôtesse de l'Air" por Christian Mathelot, narrativas também publicadas no "Cavaleiro Andante".
A grande notabilidade de um PNC na Banda Desenhada surge em pleno com a publicação da primeira prancha de Natacha no n.º 1663 de "Spirou" a 26 de Fevereiro de 1970. Hoje, estas aventuras com bastante humor comportam já vinte tomos. Seu desenhista criador: o belga François Walthéry.
François Walthéry
Natacha é uma assistente de bordo, bela, sedutora, ousada e muito corajosa. Viaja quase sempre com o seu colega e amigo (quiçá, seu tímido apaixonado) Walter, um comissário de bordo simpático, muito prestável, mas também, muito trapalhão.
Walthéry iniciou-se nesta série com argumentos de Gos (aliás, Roland Goossens), mas outros mais têm escrito guiões e até diversos desenhistas amigos têm colaborado em aspectos definidos, no grafismo das aventuras em questão.

Das aventuras de Natacha, algumas foram muito marcantes, como "Natacha et le Mahradjah", "Instantés Pour Caltech", "L'Île d'Outre-Monde" ou "Machines Incertaines".
Em Portugal, apenas as duas primeiras aventuras de Natacha foram publicadas na edição portuguesa da revista "Spirou" (2.ª série), depois repetidas no "Jornal da BD".

Prancha de "Instantés pour Caltech"
Natacha fascina-nos sempre através das suas loucas aventuras. Embarquemos num dos seus vôos, que logo ela nos servirá um embriagante coquetel de humor, sedução e acção. Saúde!

No próximo dia 9 de Outubro, no Centre Belge de la Bande Dessinée (Bruxelas), será inaugurada uma exposição comemorativa dos 50 anos de BD de F. Walthéry. O autor estará presente no beberete, às 18:30 horas.

domingo, 9 de setembro de 2012

HERÓIS INESQUECÍVEIS (3) - MARC DACIER


Marc Dacier é um jovem atrevido e temerário que, empenhadamente, ambiciona ser repórter. A direcção do periódico "L'Éclair", talvez para se ver livre dele, submete-o a uma arrojada prova: em menos de quatro meses e sem o mínimo apoio financeiro, Marc deve elaborar uma série de reportagens à volta do mundo. E ele aceita e parte!...
Jean-Michel Charlier e Eddy Paape
Assim, com a fértil imaginação do argumentista Jean-Michel Charlier (1924-1989) e o belo e nervoso grafismo de Eddy Paape (1920-2012), a série "Marc Dacier" nasceu no n.º 1059 da revista belga "Spirou" (Ed. Dupuis) a 31 de Julho de 1958. Viria a dar azo a treze álbuns.
"Au-delà du Pacifique" (capa e prancha)
Porém, Marc Dacier não sofre apenas os sobressaltos das suas aventurosas peripécias. Sofre também, pela parte da publicação das mesmas, um desnorteio editorial, apesar do êxito popular das suas aventuras... Após a sexta aventura, a Dupuis desinteressa-se da série!...
Mas, ao notar o empenho da concorrente Éditions Deligne em pegar em Marc Dacier, dá uma reviravolta e edita os restantes álbuns.
Marc Dacier pelas Éditions Michel Deligne 
Entretanto, Eddy Paape incompatibilizou-se com a Dupuis e passou para a Lombard onde, com argumentos de Greg, iniciou a notável série Luc Orient.
O argumentista Charlier é que não se conformou e escreveu novo guião em duas partes (resultando em dois álbuns) com traço do catalão Artur Aldoma Puig. O clima das aventuras mantinha-se, mas o grafismo de Puig nada tinha a ver com o de Paape e tão pouco Dacier se justificava agora. Por isso, Marc Dacier é substituído por Brice Bolt. Não resultou e tudo acabou definivamente por aí.
 
As aventuras de Marc Dacier (nunca saberemos se ele cumpriu a sua corajosa volta ao mundo) têm sido seduzidas para reedições, até pela via "integral". Apesar do entusiasmo e da popularidade que cedo alcançou, também em Portugal Dacier não teve melhor sorte (será que houve bruxedo contra o jovem pretendente a repórter?), pois só a primeira aventura foi publicada na revista "Zorro" em 1962.
Mesmo assim, Marc Dacier filia-se na galeria dos belos clássicos da Banda Desenhada que vale a pena conhecer ou reler (em francês,claro!).

sábado, 8 de setembro de 2012

BDBD JÁ ESTÁ NO FACEBOOK


Desde o passado dia 2 de Julho que o BDBD já está no facebook.
O nosso blogue aproveita, assim, uma excelente ferramenta para divulgar os posts aqui inseridos regularmente.
Faça-nos uma visita em www.facebook.com/bdbd.blogue e aproveite para nos deixar as suas sugestões.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

NOVIDADES EDITORIAIS (11)

MARSUPILAMI, O FILME - O tão popular, divertido e bizarro personagem Marsupilami, genialmente imaginado pelo saudoso André Franquin, conheceu já este ano, uma longa metragem cinematográfica sob realização de Alain Chabat: "Sur la Piste du Marsupilami".
Pelo filme, junta-se a Animação e actores de carne-e-osso, donde o próprio realizador. A secundá-lo estão Jamel Debbouze, Lambert Wilson, Fred Testot, Geraldine Nakache, Gerardo Taracera, etc, com a participação de Céline Dion como ela própria. Este filme já foi editado em DVD e Blue-ray, edições talvez difíceis de se conseguir pela FNAC, mas possíveis via amazon.fr.


O REGRESSO DE CRISTO - Irresistível, este álbum-BD, de origem norte-americana, mas mais fácil de se conseguir pela edição francesa: "Les Nouvelles Aventures de Jésus", é da autoria de Frank Stack, sob edição Stara, onde se registam os prefácios de Robert Crumb e de Gilbert Shelton.
O álbum, "viajando" pelo Novo Testamento, nada tem de blasfemo ou ofensivo, se bem que contenha uma grande força satírica. Na primeira parte, algumas paródias a certas passagens bíblicas. Mas depois vem o melhor: ausente durante 2000 anos, Jesus Cristo regressa à Terra para coordenar o profetizado Julgamento Final. Procurando prégar ainda a paz e a concórdia, vai conhecer os Estados Unidos da América... Pois! Ninguém o respeita como Messias e o infeliz Filho de Deus sofre um outro tipo de calvário, absolutamente alucinante. A ferocidade da sátira está no retrato ao bronco sistema socio-político dos norte-americanos.

PERCY - Com edição Lombard, argumento de David Vandermeulen e traço de Daniel Casaneuve, "Percy" é o primeiro tomo do díptico "Shelley", relatando a vida dissoluta e desbragada do poeta Percy Bysshe Shelley, que foi casado com Mary Shelley, a autora do famoso romance "Frankenstein".
Uma obra interessante, com uma certa veracidade histórica, passada numa Inglaterra complexa e falsamente púdica.

DESTINS CROISÉS - Conclusão da série "Airborne 44", com edição Casterman e autoria de Philippe Jarbinet.
Paris está finalmente libertada e livre das violencias dos nazis. Ao longo desta tão aplaudida série, houve personagens que se encontraram e outras que se desencontraram mas, por fim, depois dos angustiantes dramatismos da guerra, todos ficarão a saber uns dos outros, embora sem esse ideal toque de "final feliz".

SUR LA PISTE DE FAWCETT - O escritor Henri Vernes e o desenhista Felicisimo Coria são incansáveis com a série "Bob Morane". Pela Lombard, editou-se recentemente o 48º tomo, "Sur la Piste de Fawcett", levando o herói para zonas da perigosa (se bem que deslumbrante) Amazónia.
Desta vez sem o seu habitual companheiro, Bill Ballantine, Morane e a sua pequena expedição vai tentar descobrir o destino do coronel e arqueólogo Peter Harrison Fawcett e encontrar a mítica civilização Musu...

domingo, 2 de setembro de 2012

EVOCANDO (1)... VICTOR HUBINON


Auto-retrato de Victor Hubinon
O belga Victor Hubinon (26 de Abril de 1924 - 8 de Janeiro de 1979) é um daqueles grandes desenhistas cujas obras nos dão muito mais prazer apreciar se as lermos a preto e branco. 
Neste aspecto, filia-se naquela genial galeria onde figuram, por exemplo, Milton Caniff, Hal Foster, Franco Caprioli, Fernando Bento, Didier Comès, Vítor Péon, Augusto Trigo, José Luis Salinas, Hugo Pratt, Eugénio Silva, Burn Hogarth, Jesus Blasco, etc.
Hubinon, muito apostado em narrativas pelo mar e pela aviação, não excluindo os temas de guerra ("Tarawa"), também abordou por algumas vezes o humor. 


Para além das biografias aventurosas de "Jean Mermoz" e de "Stanley", as glórias da sua vasta bibliografia assentam sobretudo em quatro séries: " Barbe Rouge", "Buck Danny", "Surcouf" e "Tiger Joe".


 

Destas, a única que conheceu alguns episódios na versão álbum em português, foi a de "Barbe Rouge” (Barba Ruiva), que também teve narrativas publicadas nas revistas "Cavaleiro Andante" e "Mundo de Aventuras". 
Por sua vez, "Buck Danny" teve melhor sorte pois várias das suas aventuras foram editadas em três revistas: "Cavaleiro Andante", "Mundo de Aventuras" e na efémera edição portuguesa de "Spirou".
A obra de Victor Hubinon, na sua generalidade, tem sido reeditada (em francês, claro!), até na versão "integral". No espaço português, porque se olha demasiado para a caixa registradora e quase nadinha para a qualidade da obra, sobretudo a clássica e perene...nada consta.
Parafraseando alguém, é a vã glória de cobiçar!