terça-feira, 29 de outubro de 2013

PELA BD DOS OUTROS (9) - A BD DA CROÁCIA

Localização da Croácia na Europa
A Croácia é o 28.º país da União Europeia, onde se integrou oficialmente a 1 de Julho de 2013. República situada na região mais conflituosa da Europa, os Balcãs, tem por capital Zagreb. 
Desejando aderir ao Euro, mantém por enquanto como moeda, o kuna. O idioma oficial é o croata e a principal fonte de receita o turismo, para além de outras indústrias. Com uma História rica, cheia de altos e baixos, o actual estado tornou-se independente (mais uma vez) a 8 de Outubro de 1991, após o desmembramento da Federação da Jugoslávia.
Nação  com alta força cultural em diversas vertentes, também aqui consta a sua notável Banda Desenhada. Os seus principais valores são:

ANDRIJA MAUROVIC (1901-1981), considerado o "pai da Banda Desenhada Croata". Viveu alguns anos juvenis na Polónia. Ilustrador e caricaturista, criou a sua primeira banda desenhada em 1935, que foi publicada num jornal de Zagreb. Adaptou obras literárias de Jack London, Leon Tolstoi, H.G.Wells, etc. 
Várias criações suas foram publicadas noutros países.
Arte de Andrija Maurovic

ZARKO BEKER, nascido em 1936. 
Deixou incompleto o seu curso de Arquitectura para se dedicar à Banda Desenhada. Abandonou esta Arte em 1956 para se dedicar ao Cinema de Animação, mas alguns anos depois, regressou à BD.
Arte de Zarko Beker

DAMIR ZITKO. Não temos algum dado biográfico sobre este desenhista, excepto que elaborou primorosamente para a francesa Éditions Delcourt, quatro álbuns da série "A Bíblia".
"A Bíblia", por Damir Zitko

DANIJEL  ZEZELJ, nascido em 1966. Foi editado em diversos países dos estados da ex-Jugoslávia, em Inglaterra, Suíça, França, Itália, Bulgária, Holanda e Estados Unidos. Viveu alguns anos em Londres, depois em Itália e por fim, em 1995, foi residir para os Estados Unidos, onde mantém assídua colaboração para a DC Comics.
Arte a preto e branco de Danijel Zezelj


DARKO MACAN, nascido em 1966. Estudou História e Arqueologia. Cedo começou a sua intensa actividade como desenhista e, algumas vezes até, como argumentista.  
Sob o pseudónimo de Cecile Quintal, escreveu ensaios sobre a Banda Desenhada. 
Nos Estados Unidos, há colaboração sua para a Disney e para a Marvel.
Arte de Darko Macan


GORAN SUDZUKA, nascido a 1 de Janeiro de 1969. Em 1989 começou a trabalhar para o estúdio de animação Zagreb-Film e iniciou a publicação das suas primeiras bandas desenhadas. Para além da sua Croácia, também
tem trabalhos seus editados na Alemanha, França e Estados Unidos, onde chegou a receber o Prémio Russ Manning pela série "Outlaw Nation", em parceria com Jamie Delan.
Arte de Goran Sudzuka


E temos por fim, IGOR KORDEY, que é talvez o mais célebre e mais internacional dos desenhistas croatas. Após uma carreira marcante no seu país e já com trabalhos seus editados em França ("Diosamante", etc), resolveu ir correr mundo e encontrar (e praticar) novas experiências... Começou pelo Canadá e a seguir integra-se com trabalhos de vulto nos Estados Unidos (sobretudo para a Marvel). Por volta de 2006, tornou ao mundo franco-belga da BD, onde mantém assídua actividade criativa em especial para as Éditions Delcourt ("Empire", "L'Histoire Secrète", etc).
Prancha de Igor Kordey ("Les Miserables") 
 

Muitos outros valores existem na Banda Desenhada da Croácia, mas aqui, focamos apenas os seus "sete magníficos"...

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

NOVIDADES EDITORIAIS (41)

SIN PIEDAD - Edição Lombard. Autor: Joachim Diaz. "Sin Piedad" é o primeiro tomo da série "Harden". Sufocante, avassalador e belo, quanto baste.
Ismael alistou-se no exército norte-americano para fugir à violência dos gangs  de Los Angeles. De regresso ao seu país, ele procura fugir. Fugir da vida do gueto. Fugir das suas suas recordações no Iraque. E fugir do monstro que parece roer a sua consciência, desde Bagdad. É um monstro que lhe confere uma força sobre-humana, alimentada apenas pela sua raiva...

 
ARDÍNIA E D. TEDON - Edição Quartzo. Este é o segundo álbum da autoria do jovem Pedro Emanuel, residente na cidade de Viseu. Com notória melhoria da sua arte gráfica em relação ao primeiro álbum ("O Magriço"), o argumento baseia-se numa lenda medieval da região do Tabuaço, contando uma história de amor, quase impossível, da bela moira Ardínia e do cavaleiro cristão D. Tedon.
Continua, Pedro Emanuel!

 
ORPHELIN D'ANTARCIE - Edição Les Humanoïdes Associés. Argumento de Alain Paris, arte gráfica de Val (aliás, Valérian Taramon) e capa de Christian Hojgaard.
"Orphelin d'Antarcie" é o primeiro tomo da série "Jaemon", que irá até ao quarto álbum. O grafismo de Val é muito interessante, mas o argumento de Alain Paris, quase macbetheano, é mais sedutor: "Doze mil anos antes da nossa Era... Sobre o continente antárctico, livre dos gelos, dilatava-se uma grande civilização sob um clima propício... E então, chegou Jaemon, bastardo do rei de Antarcie, que trazia com ele a marca dos antigos Atlantes...".

LES SACRIFIÉS - Edição Lombard. Autores: Jean Dufaux (argumento) e Yacine Elghorri (arte gráfica). Primeiro tomo da trilogia "Medina".
Uma narrativa trepidante, com beleza e elegância gráfica. O tema? Este localiza-se num futuro da Terra, com políticas e situações completamente mudadas, pois o Apocalipse já terá talvez acontecido... A cidade de Medina tornou-se no derradeiro bastião da Humanidade em luta contra os Drax, aterradoras e infecciosas criaturas de pesadelo. Conseguirão os humanos controlar e vencer essa pavorosa espécie?

L'ENFANT STALINE - Edição Casterman. Segundo a série "Lefranc" criada por Jacques Martin, Thierry Robberecht e Régrig, apresentam-nos agora o 24.º tomo, "L'Enfant Staline".
Na então União Soviética, algumas poderosas figuras tentam clonar o ditador José Estaline numa criança devidamente escolhida. Assim, quando o ditador morresse, este acabaria por continuar através do seu clone. Ideia um tanto absurda, numa rocambolesca narrativa em que Guy Lefranc se vai ver envolvido e tentar salvar o jovem que está a ser manipulado com "avançadas tecnologias".
O argumento, embora débil, suporta-se. O grafismo trai bastante o traço de mestre Martin.

domingo, 20 de outubro de 2013

HERÓIS INESQUECÍVEIS (19) - PRUDENCE PETITPAS

Ora aqui está um caso muito especial e "muito bem tido e achado" pelo seu criador, o belga Maurice Maréchal (1922-2008), na galeria de heróis-BD: PRUDENCE PETITPAS.
Maurice Maréchal (1922-2008)
Será uma octogenária franzina, porém bastante activa, corajosa e justiceira. A bandidagem deve acautelar-se bem com as suas investigações e acções anti-crime.
A série apareceu pela primeira vez a 7 de Maio de 1957, na edição belga da revista "Tintin". Em Outubro desse ano, iniciou-se também na edição francesa e até, um tanto mais tarde, surgiu igualmente na edição portuguesa desta mesma revista, bem como, algum tempo antes, num Número Especial do "Cavaleiro Andante" e na revista "Zorro".
Deu azo, bastante tempo depois, a episódios televisivos em Cinema de Animação (com o título "A Avó Detective"), que foram exibidos por cá na RTP 2 e no Canal Panda.

"A Ilha do Diabo" - episódio da série "A Avó Detective"

Com histórias curtas e longas, editaram-se sete álbuns (dois destes na versão integral) pelas Éditions du Lombard.
Na origem, pela revista "Tintin", a série foi publicada até 1967. Em 1984, e até 1987, reapareceu na revista "Spirou".
Maurice Maréchal teve, por vezes, a colaboração de colegas seus: no argumento, de Raymond Macherot, René Goscinny, Greg, Mitteï, Didjé e Jiem; e no grafismo, de Mitteï e Seron.
Prudence Petitpas só usa, eventualmente, uma arma: o seu "temível" guarda-chuva!... Como seus aliados e cúmplices, conta com o seu inseparável e fiel gato Stanislas, o velho guarda florestal Cyprien, pouco inteligente e atávico inspector de polícia Robur Duroc e um grupo de garotos liderados por Jojo.
Destemida e incapaz de vacilar, Prudence, acaba sempre por meter nos eixos quem deles se desvia. Tudo, claro, com muito humor à mistura.
Não consta, infelizmente, a edição em português de qualquer álbum desta série... o que acaba por não ser surpresa nenhuma...

 

 

Uma bela capa desenhada por Maréchal para o álbum "Gare aux Ancêtres!"
Prudence Petitpas também foi capa na revista Tintin portuguesa 
"Prudence Petitpas e os Carros Fantasma" (revista Tintin, 01.05.1982)

 

"O Rallye dos Calhambeques" (revista Tintin)

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

NOVIDADES EDITORIAIS (40)

JOÃO DE DEUS, A MAGIA DAS LETRAS - Edição Âncora. Autor: José Ruy. 
Álbum muito bem conseguido que narra a biografia de João de Deus, notável pedagogo, poeta e humanista da nossa Pátria. Merecia bem uma obra como esta e o nosso imparável mestre José Ruy ousou (e muito bem!) levar esta ideia para diante. Pela sua força didáctica, é uma obra para figurar e ser lida, pelo menos, em todas as escolas de Portugal. Já existe, também, uma edição em mirandês. 


LE SECRET DU BONHEUR - Edição Lombard. Com argumento de Stephen Desberg e arte gráfica  de Dan Panosian, "Le Secret du Bonheur" é o primeiro tomo da série "John Tiffany". Este, é um aventureiro rico e audacioso que tem como profissão ser caçador de prémios. Vivos ou mortos, apanha sempre qualquer tipo de meliante. Em todo o caso, não se livra, também ele, de ter a cabeça a prémio. Obra com muita acção e com bastante erotismo.


 
LA FLEUR DU SOUVENIR - Edição Lombard. Argumento de Serge Le Tendre, traço de Jérôme Lereculey e cores de Stambecco. É o segundo tomo da série "Golias".
Ficcionada algures pela Gécia Clássica, o príncipe Golias, traído pelo seu sinistro tio Polynos, vai tentar encontrar a rara "flor da recordação" para salvar seu pai, o rei Farstal, devendo ainda livrar-se dos instintos cruéis do usurpador e proteger a sua irmã Aerénea. Nesta epopeia, Golias é acompanhado pelo seu amigo de infância Konios, o velho mago Sarhan e a sua própria irmã que também terá perdido a memória...
Frisa-se aqui, a bela arte gráfica.


 
LE TEMPS DU DESERT - Edição Casterman. Criação de Denis Barjam, com momentos gráficos bem espectaculares, "Le Temps du Desert", é o primeiro tomo da série "Universal War Two", agora no segundo e autónomo ciclo.
Lá muito para diante do nosso actual tempo, quase já não há vida na Terra. No sistema solar, é em Marte que reside uma certa humanidade - humanidade esta que é descendente de populações terráqueas. Mas o Sol está a apagar-se e coisas terríveis e misteriosas estão assustadoramente a acontecer no Cosmos...

SOUVENIRS DE FUTURS - Edição Dargaud. Autores: Pierrre Christin (texto) e Jean-Claude Mézières no grafismo. Este álbum da série "Valérian", é uma recapitulação dos grande momentos das aventuras de Laureline e Valérian. Os episódios são recordados pelos dois principais heróis da série e ainda, pelos três desastrados passarocos, os Shingouz. Notável: as aguarelas de Mézières, de duas páginas ou página e meia, que intercalam os episódios recordados.

domingo, 13 de outubro de 2013

BD E HISTÓRIA DE PORTUGAL (4) - AS APARIÇÕES EM FÁTIMA

Que estranho fenómeno aconteceu em Fátima a 13 de Maio de 1917, fenómeno esse que se seguiu, sempre pela mesma data, até 13 de Outubro, então numa manifestação espectacular, quiçá também assustadora, ante o testemunho de uma incontável multidão?
Atribuir tal a uma ousada fabricação "made in Vaticano" e que o 13 de Outubro foi uma "alucinação colectiva"(?!), parece um pensar demente. A própria Igreja Católica andou com um certo pânico nos primeiros tempos... Não haveria, no Vaticano, cérebros tão "avançados" capazes de idealizar e pôr a funcionar tamanha encenação.
Que a mãe de Cristo se tenha incomodado a vir dar uma mensagem a três pastorinhos analfabetos (os irmãos Jacinta e Francisco, mais a prima Lúcia), é altamente perturbante!.. E isso, obviamente, provoca-nos uma data de questões pertinentes às leis da Cristandade e à própria Divindade Criadora...
Outros, ditos investigadores e muito próximos da ficção científica, afirmam que as aparições em Fátima foram abordagens de extraterrestres que os famosos pastorinhos na sua ingenuidade, tomaram pela Virgem Maria, tanto mais que, parece, só Lúcia é que via e dialogava com a aparição...
Fosse o que fosse, de 13 de Maio a 13 de Outubro, sempre neste dia, de 1917, algo de muito enigmático terá acontecido em Fátima. O que foi?! Nenhuma opinião, seja de católicos seja de ateus, acerta com alguma certeza. Depois, claro, o Vaticano e outras correntes cristãs aproveitaram-se disso e no que se tem vindo a dar através dos tempos. Até os islâmicos tentaram aí meter o bedelho, embora sem resultado algum.
O Cinema abordou algumas vezes este fenómeno das "Aparições", a saber: em 1951, o espanhol Rafael Gil realizou "Nossa Senhora de Fátima" (La Señora de Fatima); em 1952, foi a vez dos norte-americanos com o filme "Milagre de Fátima" (The Miracle of Our Lady of Fatima), com realização de John Brahm; em 1991, tocou a vez aos franceses com "Aparição", uma coprodução luso-francesa realizada por Daniel Costelle; depois, em 1997, "Fátima", por Fabrizio Costa, que pode ser considerada uma co-produção de Portugal com a Itália, contando com os nossos actores Joaquim de Almeida, Catarina Furtado e Diogo Infante. 
Um filme português que classificamos de "tangente" ao tema, foi realizado em 1943 por Jorge Brum do Canto, "Fátima, Terra de Fé".
Também a Banda Desenhada não ficou alheia a este inexplicável acontecimento. Até ao momento, conseguimos apurar as seguintes versões:

1 - A 12 de Abril de 1962, a revista belga "Spirou" n.º 1252, publicou em quatro pranchas, sob argumento de Octave Joly e arte gráfica de mestre Eddy Paape, LE SOLEIL DANSE A FATIMA, versão que, cremos, se mantém inédita em português.
 
"Le soleil danse a Fatima" por Eddy Paape e Octave Joly ("Spirou" belga, nº. 1252)


2 - FÁTIMA, em quatro pranchas, com argumento de Yves Duval e traço de Fernand Cheneval, publicada no n.º 15 da revista "Pisca-Pisca" (Maio de 1969) e, posteriormente, no n.º 448 do "Mundo de Aventuras", a 13 de Maio de 1982, com capa de Augusto Trigo.

 
Pranchas 1 e 4 de "Terra eleita de Nossa Senhora - Fátima",
por Yves Duval e Fernand Cheneval ("Mundo de Aventuras", nº. 448)


3 - FÁTIMA, álbum editado pela extinta Futura, com 24 pranchas a preto-e-branco, sob o magnífico traço do nosso saudoso mestre da BD, Eduardo Teixeira Coelho.
 
"Fátima", por Eduardo Teixeira Coelho (Editorial Futura, 1985)


4 - As Éditions du Signe publicaram, em 1992, o álbum "Fatima - Les Petits Bergers de Notre-Dame" (Fátima - Os Pastorinhos de Nossa Senhora), com texto das Missions Consolata, desenho do italiano Carlo Marcello e cor de Isabelle Rognoni.

 
Capa e prancha inicial do álbum "Fatima - Les Petits Bergers de Notre-Dame"
(Éditions du Signe, 1992)

5 - Artur Correia (desenho) e António Gomes de Almeida (argumento) também incluíram este episódio no segundo tomo da História Alegre de Portugal.
 
 História Alegre de Portugal II, de Artur Correia e António Gomes de Almeida
(Bertrand Editora, 2003)

6 - A canadiana (de origem indiana) Mitchelle de Souza, continua a produzir, desde Agosto de 2010, uma banda desenhada, em estilo mangá, sobre esta temática. Neste momento tem publicadas no seu blogue fatimakids.com cerca de 50 pranchas.

 
Pranchas 1 e 43 de "The Fatima Story", de Mitchelle de Souza

7 - De autor desconhecido temos "El milagro de Fátima", uma versão em duas pranchas, produzida no México e publicada no Equador, que encontrámos aqui e que a seguir reproduzimos, com a devida vénia.

 
"El Milagro de Fátima"

8 - De autor não identificado (embora, pelo texto se perceba que se trata de uma edição brasileira), existe uma versão a preto e branco, que pode ser consultada aqui .


 
Pranchas 1 e 23 de uma história cujo autor não conseguimos identificar


9 - O italiano Giosuè Tacconi desenhou, em quatro pranchas, (sob argumento de Robero Lanzilli) para as edições Renoir Comics de Milão a história "I Pastorelli di Fatima" (que pode ser vista no seu sítio na net).


 
Pranchas 1 e 3 de "I Pastorelli di Fatima", de Giosuè Tacconi e Robero Lanzilli
(Edições Renoir Comics)

Haverá, certamente, outras versões BD sobre este extraordinário acontecimento, espalhadas pelas muitas publicações cristãs que existem pelo mundo, mas seria de todo impossível apresentarmos tudo o que existe. 
Algumas dessas versões podem ser vistas no excelente blogue de Jorge Magalhães (ogatoalfarrabista.wordpress.com), que também dedicou um post a esta temática.
Fica este registo, 96 anos depois de ter ocorrido a última das "aparições".