sábado, 7 de junho de 2014

LITERATURA E BD (4) - CAMÕES E "OS LUSÍADAS"

Estátua de Camões, em Lisboa
No próximo dia 10 de Junho, evoca-se o 434.º aniversário do falecimento do Poeta dos poetas da História de Portugal, quando exalou o seu último (e amargurado) suspiro: Luiz Vaz de Camões.
Deixou uma herança magnífica para a posteridade: a epopeia "Os Lusíadas", uma vasta, maravilhosa e invejável poesia lírica (o livro "Rimas") e, pelo menos, três peças teatrais ("Filodemo", "Auto de El-Rei Seleuco" e "Anfitriões"). Um outro livro de rimas, "Parnaso", foi-lhe criminosamente roubado quando vivia, na miséria, na cidade-ilha de Moçambique...
Sua sofredora mãe, Ana de Sá e Macedo, e o lendário e fidelíssimo "escravo" Jau (ou Jarco, como se cita numa versão mexicana), terão sobrevivido ao seu passamento.
Onde estão os seus ossos?... Ninguém sabe! Aquele belo túmulo no Mosteiro dos Jerónimos (onde tanto "chefe-de-estado" vai cerimoniosamente depôr uma coroa de flores e fazer uma insensível e hipócrita vénia), se tem lá algum esqueleto é, de certeza, de um qualquer ilustre desconhecido. Camões não está lá!...
Admirado pelo mundo inteiro (pelo menos pelos "Lusíadas"), tem estátuas em Portugal, Brasil, Moçambique, Goa, Angola, Macau. 
E pela Literatura mundial, não faltam obras alusivas via teatro, romances e ensaios. 
No Cinema, regista-se um filme de luxo, "Camões", realizado por Leitão de Barros em 1946, com a magistral interpretação do nosso saudoso actor António Vilar.
Luiz Vaz de Camões, português absoluto, atrevido, corajoso, espadachim, namoradeiro, valente soldado (que até perdeu um olho ao norte de Marrocos), amigo de paródias, sempre apaixonado por esta ou aquela, várias vezes conheceu a prisão ou o degredo. Viveu também em Marrocos, Goa, Macau e Moçambique, tendo sofrido um dramático naufrágio quando regressava de Macau para Goa, na costa do Camboja. 
A "Santa Inquisição" e alguns poetas rivais e invejosos, tiveram-no sempre "à perna". Mas foi ele que ficou, magnífico, para sempre!
Está bem lembrado pela nossa (e não só) Banda Desenhada. Ora vejamos o que nos foi possível apurar até agora:

DE AUTOR DESCONHECIDO - Foi publicada, no Séc. XIX, numa folha volante com 25 vinhetas, possivelmente a primeira versão em banda desenhada da "Vida de Camões".
"Vida de Camões" - Folha volante datada de 1880
in "Dicionário de Banda Desenhada - Léxico Disléxico", de Leonardo De Sá (Ed. Pedranocharco, 2010)


FERNANDO BENTO E ADOLFO SIMÕES MÜLLER - História publicada no "Diabrete", mais tarde reeditada num mini-álbum pela Gulbenkian e depois num álbum pela Futura. 
Duas pranchas de "Luís de Camões", in "Diabrete", dos n.ºs 702 a 730 (1950)

Capas das edições da Gulbenkian e da Futura, respectivamente

Ainda por este saudoso desenhista, o "Cavaleiro Andante" publicou ilustrações de algumas estâncias de "Os Lusíadas".
Capa de Fernando Bento ("Cavaleiro Andante", n.º 232)

Ilustrações sobre "Os Lusíadas", in "Cavaleiro Andante" n.º 61 e 76, respectivamente (1953).


JOBAT (ou José Batista) - Tem uma versão antiga, publicada no Diário Popular, em 1972, e que foi editada em francês, com argumento de Michel Gérac. Tornou a ser publicada, mais tarde, no semanário algarvio "O Louletano", na página "9.ª Arte: Memórias da Banda Desenhada", que Jobat coordenava.
Capa e vinheta de "La Vie Passionnante et Passionné de Camões",
de Michel Gérac e José Baptista (Jobat)

Prancha de "A Vida Apaixonada e Apaixonante de Camões",
publicada no semanário "O Louletano" (2003)

Tem também outra versão, mais curta, "O Trinca-Fortes", publicada no n.º 49 do "Jornal do Cuto".
Capa e pranchas 1 e 6 de "Trinca-Fortes", por José Baptista,
in "Jornal do Cuto", n.º 49 (1972)


CARLOS ALBERTO E JOSÉ DE OLIVEIRA COSME - Pela Agência Portuguesa de Revistas, o espantoso mini-álbum, a preto e branco, "Camões, sua vida aventurosa". Este exemplar é raríssimo de se encontrar. Esta obra foi reeditada a cores, pela Asa, em 1990. Consta que está esgotado...
Capa de "Camões, sua vida aventurosa"
(Edição da "Agência Portuguesa de Revistas", 1972)

"Camões, sua vida aventurosa", por Carlos Alberto e José de Oliveira Cosme,
em versão a preto e branco...

Capa da versão a cores - Edições ASA (1990)

Também com ilustrações de Carlos Alberto foi editada, em 1966 (com várias reedições posteriores), a caderneta de cromos "Camões" que, não sendo exactamente uma obra em banda desenhada, consideramos ter todo o interesse em aqui referir.
Capa e contra-capa da caderneta de cromos "Camões"...
...e duas páginas interiores da mesma.


JOSÉ MANUEL SOARES E RAUL COSTA - Existe um álbum, que já teve segunda edição, publicado pela Câmara Municipal de Odemira.
Capa do álbum "Luis Vaz de Camões", com edição da Câmara Municipal de Odemira (1990)...
...e duas pranchas do mesmo álbum.


RUI PIMENTEL E JORGE SERRÃO - "Camões aos Quadradinhos", numa adaptação da peça teatral homónima de Helder Costa. Tem edição da Agência Portuguesa de Revistas.
Capa e pranchas de "Camões aos Quadradinhos",
por Rui Pimentel (desenhos) e Jorge Serrão (argumento)
(Agência Portuguesa de Revistas)


RICARDO CABRITA - Camões participa no mini-álbum "Tágide: Um Poema à Constância".
 
Capa e prancha de "Tágide: um poema à Constância", de Ricardo Cabrita


LUÍS AFONSO - Tiras humorísticas publicadas no vespertino "Público". Camões aparece sempre nas tiras de 10 de Junho. Deixamos aqui apenas dois exemplos.
"Bartoon", por Luís Afonso (jornal "Público", 10.06.2011)
"Bartoon", por Luís Afonso (jornal "Público", 10.06.2009)


PEDRO CASTRO - Na sua "aceitável" colecção "Heróis", editou o último fascículo, o n.º 8, dedicado a Camões.
"Luís de Camões", por Pedro Castro (in "Heróis", n.º 8)


JORGE MIGUEL - Tem o belo álbum "Camões, De Vós Não Conhecido Nem Sonhado?", sob edição Plátano.
"Camões - De vós não conhecido nem sonhado?", por Jorge Miguel (Plátano Editora, 2008)


JOSÉ ANTUNES - Publicou, em 1957, na revista "Mundo de Aventuras" (entre os n.ºs 386 e 411) uma história chamada "Trinca-Fortes"... 

 
Capa e três pranchas de "Trinca-Fortes", por José Antunes, in "Mundo de Aventuras" (1957)

...e em duas pranchas publicadas no n.º 18 da revista "Camarada", em 1963, e reeditadas nos "Cadernos Moura BD", pela Câmara Municipal de Moura...
"Luís de Camões", por José Antunes, in "Cadernos Moura BD", n.º 5 (2004)

Publicou ainda uma capa na revista "Pisca-Pisca", onde se anuncia uma história completa sobre Camões (desenhada por Fernand Cheneval e à qual mais adiante faremos referência).
Capa da revista "Pisca-Pisca", n.º 6 (Junho de 1968), desenhada por José Antunes


EUGÉNIO SILVA E PEDRO CARVALHO - "Luís de Camões", em duas pranchas, para um livro escolar... 
"Lições de História Pátria - 3.ª classe", com desenhos de Eugénio Silva e texto de Pedro Carvalho
(Porto Editora, 1967)


...e também para um livro escolar e igualmente em duas pranchas, desenhou "Aventuras de um Poeta - Camões". 


JOSÉ GARCÊS - Das abordagens deste nosso mestre da BD, salientamos  as referências ao poeta em "Camões, o Autor da Epopeia Moderna", no n.º 134 da revista "Girassol", em 1972...
"Camões, o Herói da Epopeia Moderna", por José Garcês,
in revista "Girassol", n.º 134 (1972)

...e, em parceria com A. do Carmo Reis (autor do texto), na "História de Portugal em BD" (2.º volume).
 

Capa e prancha do segundo volume da "A História de Portugal em BD"
(Edições Asa, 1985)



JOSÉ RUY - Sob edição da Editorial de Notícias, adaptou "Os Lusiadas" em três tomos...
Capa e prancha do primeiro volume.

Capa e prancha do segundo volume.

Capa e prancha do terceiro volume.

...e para a revista "Mama Sume" abordou Camões (segundo Almeida Garrett) em duas pranchas.
Camões visto por José Ruy na revista "Mama Sume"


BAPTISTA MENDES - Tem "A Vida de Camões", numa versão curta estreada no "Jornal do Exército" e depois incluída no álbum "Por Mares Nunca Dantes Navegados" (ed. Futura)...
"A Vida de Camões", por Baptista Mendes - Edições Futura (1980)

...e numa versão longa e a cores, ainda inédita.
"Camões", por Baptista Mendes (versão inédita)


ARTUR CORREIA E MANUEL PINHEIRO CHAGAS - Obviamente, incluíram o Poeta na divertida e didáctica "História Alegre de Portugal".
 
"História Alegre de Portugal" (volume 1), 
de Artur Correia e Manuel Pinheiro Chagas (Bertrand Editora, 2008)

VÍTOR PÉON - Também outro dos nossos grandes desenhadores, Vítor Péon, abordou Camões e "Os Lusíadas" em "Gesta Heróica" (obra editada em dois volumes).

Pranchas de "Gesta Heróica - Factos e Aventuras da História de Portugal"
(Editorial O Livro, 1983), por Vítor Péon

Finalmente, deixamos aqui uma versão que descobrimos ao acaso, enquanto navegávamos na net, cujo autor é (supomos) Vítor Oliveira. Foi inserida no manual escolar do 10.º ano "Das Palavras aos Actos", publicado pela Asa. 
Versão de Vítor Oliveira (?), in "Das Palavras aos Actos" (Edições Asa, 2007)


Existirão mais desenhistas portugueses que tenham abordado este tema? É bem possível...
Vejamos agora o que conseguimos registar pelo estrangeiro.

BÉLGICA:

GAL - Da autoria de Gal (aliás, Georges Langlais), em quatro pranchas, "Camoëns, le Poète Soldat", publicada  na revista "Spirou" n.º 853, em 1954. 

"Camöens, le Poète Soldat", por Gal ("Spirou" belga, n.º 853)


YVES DUVAL E FERNAND CHENEVAL - "Luís de Camões, Herói e Poeta de Génio", também em quatro pranchas, publicada no "Pisca-Pisca" (n.º 6), em 1968, e mais tarde reeditada no "Mundo de Aventuras" (n.º 375), em 1980.
"Luís de Camões, Herói e Poeta de Génio" por Yves Duval e Fernand Cheneval 


BRASIL:

NICO ROSSO - Em 1973, sob edição Ebal, o álbum "Os Lusíadas", com uma prévia versão curta sobre a vida de Camões, pelo desenhista italo-brasileiro Nico Rosso. 
Capa de "Os Lusíadas" (Edições EBAL, 1973)...
...e duas pranchas por Nico Rosso


LAILSON CAVALCANTI - Em 2006, a editora Companhia Editorial Nacional, publicou "Lusíadas 2005" por Lailson Cavalcanti, uma adaptação verdadeiramente aberrante, por muito que o artista se tivesse convencido que a adaptação (?!!...) era inovadora. Achámo-la repulsiva e desrespeitosa a Camões e a Portugal.
"Lusíadas 2005" por Laílson Cavalcanti (Companhia Editorial Nacional)


FIDO NESTI - adaptou "Os Lusíadas" para a colecção "Clássicos em HQ".
"Os Lusíadas em Quadrinhos", adaptação do brasileiro Fido Nesti para a série
"Clássicos em HQ" - Editora Peirópolis (2006)


MÉXICO:

JUAN MANUEL CAMPOS - Há uma versão de Juan Manuel Campos, "Los Luisiadas - Luis de Camoens", da qual, e até agora, só conseguimos obter a capa que reproduzimos. 
"Los Luisiadas - Luis de Camoens" (Niesa Editores)


ALFONSO TIRADO - Por sua vez, em 1963, as Ediciones Recreativas, no fascículo ou mini-álbum n.º 87 de "Vidas Ilustres", editaram "Luis de Camoens" com grafismo de Alfonso Tirado.
"Luis de Camoens", por Alfonso Tirado (Ediciones Recreativas) (1963)

E, pelo Estrangeiro, quantas mais versões existirão que ainda não conseguimos "descobrir"?...

Para a elaboração deste post, agradecemos os apoios gentilmente prestados por Artur Correia, Baptista Mendes, Carlos Gonçalves, Eugénio Silva, Jorge Magalhães, José Coelho, José Eduardo Monteiro, José Garcês, José Manuel Vilela, José Ruy, Leonardo De Sá e Luís Afonso (e que nos perdoem se algum nome mais aqui nos escapou).
Viva CAMÕES!

10 comentários:

  1. Uau! Isto é uma referência e tanto para quem gosta e aprecia a história da BD / HQ. Agradeço por esta grande postagem que apresenta vários autores, desenhistas e a obra de Camões em várias versões.
    Obrigado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Adão :
      Nós, eu e o Carlos Rico, é que agradecemos as suas belas palavras de incentivo. Bem haja!
      Um grande abraço
      Luiz Beira

      Eliminar
  2. Notável trabalho, caro amigo Luiz Beira.
    Parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Geraldes Lino:
      Ainda bem que gostaste deste post "camoneano" que tanto trabalho deu a mim e ao Carlos Rico. Mas valeu a pena, pois Camões mereceu-o.
      Um abraço
      Luiz Beira

      Eliminar
  3. Notável trabalho, sem dúvida, por ser o mais completo até hoje publicado sobre a obra e a vida de Camões em histórias ilustradas por autores portugueses e estrangeiros. Um grande abraço de parabéns, não só ao Luiz Beira, que desde há muito fez deste tema um dos seus favoritos, mas também ao excelente "gráfico" de serviço Carlos Rico.
    E as pesquisas continuam porque Camões é, na BD, muito mais universal do que Ronaldo.
    Jorge Magalhães

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Jorge
      Desde já, o nosso reconhecimento pelo teu tão emotivo e encorajador comentário.
      Na verdade, não esquecendo alguns gratos apoios que tivemos e mencionamos no texto, este foi talvez e até hoje, o post que mais trabalho nos deu na sua elaboração. Mas Camões merece-o e mereceu-o bem.
      Abraços e a amizade de
      Luiz Beira e Carlos Rico

      Eliminar
  4. Mano BDBD, vim lhe dar os parabéns por seu trabalho e convidá-lo a acessar minha página de divulgação, eis o endereço → http://www.facebook.com/SavioChristiDesenhistaDivulgacao.

    Bom, abraços e até mais então!

    ResponderEliminar
  5. Meus senhores, mas que grande trabalho de pesquisa!!! Agora já sei que página irei aconselhar aos meus alunos quando estivermos a estudar poesia Camoniana, no 10º, e Paralelismo Os Lusíadas/Mensagem, no 12º.
    Não há dúvida, se este português tivesse nascido nos EUA, já teria 80 filmes e 200 séries sobre a sua vida.
    Continuação de excelente trabalho,
    abraço,
    João Francisco

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caríssimo Amigo:
      Foi muito gratificante para nós este seu tão estimulante comentário. Na verdade, este post deu imenso trabalho, mas valeu bem a pena. Quanto a filmes sobre Camões, é uma tristeza o vazio que se sabe: apenas um! E mesmo assim, já podia ter passado para uma versão a cores, pois há técnicas para tal...
      Com a melhores saudações bedéfilas
      Luiz Beira e Carlos Rico

      Eliminar